Escala hexatônica de tons inteiros

Você já conhece essa escala?

Escala de tons inteiros (hexafônica)

A escala de tons inteiros, também conhecida como hexafônica ou debussyana, como o próprio nome já diz é composta apenas por intervalos de um tom. Sendo assim ela contêm apenas 6 notas. Partindo de Dó temos as seguintes notas na escala:
Dó – Ré – Mi – Fá# – Sol# – Lá#

 

Outro aspecto interessante e curioso dessa escala é que só existem duas combinações de notas possíveis. Essa primeira que foi mostrada, partindo de Dó, e uma outra partindo de Do#. Como elas possuem 6 notas, as duas juntas já utilizam as 12 notas do nosso sistema musical temperado. Todas as outras escalas de tons inteiros começando de qualquer nota irão repetir essas mesmas notas. Isso ocorre pois é uma escala simétrica. Essa é a outra escala possível:

Dó# – Ré# – Fá – Sol – Lá – Si
escala de tons inteiros

 

Essa escala possui uma sonoridade muito característica e é fácil identificá-la quando se ouve. Ela é muito utilizada em trilhas sonoras de filme ou desenhos animados quando os personagens estão sonhando ou quase dormindo. O nome debussyana vem em homenagem a Claude Debussy, compositor francês que utilizou muito essa escala em suas peças. Na verdade essa sonoridade combina muito com o estilo de composição impressionista de Debussy, que em muitos trabalhos remete a esse universo dos sonhos.

 

Exemplos de músicas que usam essa escala:

 

Nada melhor para assimilar a sonoridade de uma escala do que ouvir músicas que utilizam ela. Assim, vai uma seleção de músicas de estilos diversos que usam a escala debussyana, desde os impressionistas como o próprio Debussy e Ravel, até compositores brasileiros como o violonista Garoto e Egberto Gismonti. Ouçam e percebam as semelhanças e diferenças entre as músicas. Isso mostra como essa escala pode ser utilizada em diversos contextos musicais.

 

Claude Debussy – Voiles Prelúdio nº2

Maurice Ravel – Jeux d’eau

Egberto Gismonte – O Sonho

Wayne Shorter – Juju

Garoto – Jorge do Fusa

 

Como aplicar essa escala em solos ou composições?

 

A escala hexafônica combina com acordes dominantes, ou seja maiores com a sétima menor. No caso de C7 a sétima é o Sib, ou seja, se você tocar a escala de tons inteiros começando do Dó você tem Lá# que é enarmonico de Sib. Assim, a única nota que têm na tétrade de C7 que não tem na escala de tons inteiros é a quinta justa (Sol), já que essa escala possui quinta aumentada (Sol#). Mas mesmo assim esses acordes e a escala são compatíveis.
Outra dica é utilizar acordes dominantes alterados, com a 4ª ou a 5ª aumentadas. Sendo assim o acorde fica ainda mais próximo da escala hexafônica. Faça esses testes e descubra qual sonoridade te agrada mais na hora do seu improviso ou composição. Para saber mais dicas de como aplicar uma escala em um improviso mais fluido e interessante, confira esse vídeo.

 

Para aprender ainda mais sobre essa escala super interessante e sua utilização em improvisos, confira essa dica do professor Nicholas Saliby:

 

AGENDE AQUI SUA AULA EXPERIMENTAL GRATUITA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *